Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

O escandaloso aumento dos combustíveis

albufeiradiario, 20.05.08

GOVERNO ASSOBIA PARA O LADO

                 ZÉ D'ALBUFEIRA                         

Há uns anos atrás, as petrolíferas nacionais aumentavam os preços em simultâneo, sob controle governamental. Até que um ministro de um Governo que me escuso de nomear teve a (infeliz) idéia de "liberalizar o sector" com a alegação de que, assim, surtiriam benefícios para os consumidores, promovendo designadamente uma baixa de preços, resultante da concorrência.

Pura ilusão. Suprema mentira.

A partir daí, os aumentos foram constantes, embora já não em simultâneo.

Presentemente, assiste-se ao maior agravamento de preços jamais visto em Portugal. À sexta-feira aumenta a BP. Ao sábado a Galp. E à segunda a Repsol. Para voltarem a aumentar todas, de novo, na semana seguinte.

O ministro da Economia, Manuel Pinho, anda a dizer há semanas que aguarda o diagnóstico da Autoridade da Concorrência para decidir se deve ou não intervir. O primeiro-ministro, José Sócrates, eleito por um partido que (ainda) se diz socialista, mas praticando uma política anti-social, direitista,  pavoneia-se pelo estrangeiro, fazendo por ignorar as realidades do País. Mário Soares, ao menos, teve o mérito de assumir que metera o "socialismo na gaveta". Sócrates pensa que os portugueses são um bando de mentecaptos. 

E a comunicação social - para compor o ramalhete - optou, a partir de ontem, por  só falar da selecção. Para distrair os portugueses, afastando-os do essencial. E ajudar o Governo e o primeiro-ministro a não serem  molestados pelas queixas (legítimas) do povo sacrificado.

 

Só falo dos combustíveis. Porque se falasse do aumento escandaloso dos bens de primeira necessidade (que os bolsos - vazios - dos portugueses sentem dia após dia), sem o menor esforço do executivo para o travar, teria de afirmar que Portugal tem um Governo de m.!

.

m. - medíocres, claro.

4 comentários

Comentar post