Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

A destilar fel

albufeiradiario, 19.10.09

SARAMAGO INVESTE CONTRA A BÍBLIA

ZÉ D'ALBUFEIRA                                 Ler

O País ensandeceu. De cada vez que o Nobel (português) da Literatura diz uma baboseira, os mais 'lídimos' representantes da kultura lusa apressam-se a aplaudir cegamente com mãos ambas. E os media autoproclamados "de referência" e com tiques de elite pseudo-cultural, logo lhe dedicam grandes parangonas, em atitude de seguidismo ridículo e confrangedor.

O mais recente arroto do nosso laureado com o Prémio Nobel (instituição desacreditada por ter distinguido Obama, não por ter premiado Saramago...) a propósito da publicação do seu mais recente livro Caim, levou-o a atacar despudoradamente a Bíblia, que apelida de "manual de maus costumes, um catálogo de crueldade e do pior da natureza humana”, acrescentando este vómito: “A Bíblia passou mil anos, dezenas de gerações, a ser escrita, mas sempre sob a dominante de um Deus cruel, invejoso e insuportável. É uma loucura!

Vinda de quem vem, esta apreciação só pode ser entendida como um elogio. À obra que pretende atacar directamente - e aos muitos milhões de homens e mulheres que a seguem em todo o mundo. E cujos conceitos de vida e princípios sociais, morais e éticos Saramago sempre tem pretendido enxovalhar e diminuir.

Bem pode Saramago continuar a vomitar, do alto da sua cátedra, ódio sobre a civilização ocidental (no seio da qual sabe viver à grande e à francesa, melhor, à espanhola) e os sentimentos intrínsecos da esmagadora maioria dos portugueses - que isso não os afecta.

Afectadas - seriamente afectadas -  ficaram as famílias dos profissionais  que ele, Saramago, selvaticamente saneou de um jornal onde exerceu, anos atrás, um poder despótico. O povo não tem memória curta e lembra-se, certamente, da sanha persecutória do então director-adjunto do Diário de Notícias (colocado pelo PCP), corria o Verão quente de 75, afastando sectariamente (e ilegitimamente) do jornal da avenida da Liberdade tudo quanto não era vermelhusco.

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.