Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Poeta alentejano de Albufeira

albufeiradiario, 09.02.10

MORREU MÁRIO GRENHO

ZÉ D'ALBUFEIRA                               d.r.

Faleceu há coisa de um mês uma figura que, aos poucos, se foi popularizando em Albufeira nos últimos anos. Mercê da sua simpatia, trato afável e extrovertido - e especial vocação para fazer amigos -, o senhor Mário, assim tratado com ternura por quantos o conheciam, fixara residência entre nós após se ter reformado dos Tribunais. Traído pelos membros inferiores, viu-se impedido de conduzir e fazer longas caminhadas, tornando-se presença habitual nas carreiras do Giro. Ficou amigo de motoristas e passageiros mais assíduos. De todos recebia manifestações de carinho.

Soube da sua morte a semana passada pela própria filha, que eu não conhecia (nem ela a mim). O que não impediu que, logo ali, me tivesse incumbido de uma tarefa que cumpri com prazer: distribuir pelos amigos do senhor Mário alguns exemplares do livro de poemas por ele publicado - o que muitos de nós ignorávamos por completo, tal a sua simplicidade.

Deixou-nos, em boa verdade, mais um poeta albufeirense, não obstante nascido alentejano.

Mário Grenho, que contava 91 anos, nasceu no Redondo (Alto Alentejo), o que o levou a inserir no prefácio da sua obra a seguinte quadra:

                                                   Sou de lá, do Alto Alentejo

                                                   E de lá sempre quis ser

                                                   Os versos que faço sem pejo

                                                   São desabafos... p'ra esquecer.

Como se poderá concluir do soneto que abaixo damos à estampa, ser poeta foi um objectivo que o senhor Mário perseguiu durante toda a vida. A publicação do livro terá sido o triunfo desse desiderato.

 

Gostava de ser um poeta

 

                                      Sempre gostei de fazer versos

                                                   Mas nunca me julguei um poeta

                                                   Sim porque não quero passar por pateta

                                                   Nem quero pensar em falsos sucessos.

 

                                                   Adoro de alma e coração a poesia

                                                   Mas não quero enganar a mim mesmo

                                                   Nem sequer fazer versos a esmo

                                                   E os que faço é com muita alegria

 

                                                   Porque é que Deus não me deu o condão

                                                   De ter nascido com uma veia poética?

                                                   Confesso-o com mágoa e até amargura

 

                                                   Mas sinto que os versos me vêm do coração

                                                   Talvez sem simetria, rima ou estética

                                                   Face, por certo, à minha pouca CULTURA

*foto ALBUFEIRAsempre

 

Comentar:

Mais

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.