Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Da ministra da Justiça

albufeiradiario, 05.07.12

Atitude antidemocrática

ZÉ D'ALBUFEIRA                           d.r.

Ao recusar receber os autarcas que pretendiam manifestar-lhe a discordância do novo mapa judiciário, supostamente lesivo dos interesses das populações e potenciador da desertificação do interior, a ministra da Justiça mostrou ignorar duas importantes realidades que enformam o Estado de Direito e que os governantes devem sempre ter presentes e respeitar e fazer respeitar.

A primeira é que Portugal, ao contrário da sua terra (onde neste momento se prepara um arremedo de ‘eleições’, ditas livres…), é um país democrático onde os legítimos representantes das populações têm o direito constitucional de se fazer escutar pelo poder central e manifestar livremente as suas preocupações e dos cidadãos junto das instâncias governamentais, recorrendo mesmo à manifestação pública quando não são atendidos pelos formais meios de comunicação política e institucional.

A segunda realidade, não menos importante que a primeira, é que os autarcas, diferentemente da ministra, foram eleitos em sufrágio direto e universal, representando no caso em apreço dez milhões de pessoas, que pagam o ordenado e as mordomias da governante que age tão displicentemente (para não lhe chamar outra coisa).

Ao agir assim, a dita cuja mostrou à evidência que não reúne os pressupostos, e já nem falo na competência técnica, que não me cabe avaliar, para o desempenho do alto cargo que tem no governo, nada mais nada menos que a tutela de um outro poder indispensável ao bom funcionamento da Democracia: o poder judicial.

Quem ventos semeia…

Intensificaram-se nas últimas semanas as vaias e apupos a governantes, em Portugal. Quando a paciência se esgota, os espezinhados são levados, muitas vezes, ao confronto direto para poder manifestar a sua indignação – e fazer ver, aos que não querem ver, que estão cá a mais e só têm de ir embora.

(Minha coluna de opinião "Antes do mais" no «barlavento» de hoje, 05/07/2012)