Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Autárquicas 2017

albufeiradiario, 20.02.17

Ana Vidigal recandidata-se pelo VIVA

ana_vidigal.jpg

                                                                                                                                                                      d.r.

ZÉ D'ALBUFEIRA

Ana Vidigal apresentou esta segunda-feira a sua candidatura à Câmara de Albufeira, encabeçando uma lista do VIVA-Vontade Independente Vencer Albufeira. 

É assim reativado o movimento de cidadãos que tão bom resultado obteve nas últimas eleições autárquicas (2013), elegendo Ana Vidigal para um mandato de vereador com a particularidade de desfazer o empate (3-3) registado no número de edis eleitos pelo PSD (vencedor) e pelo PS.

A atual vereadora em regime de permanência assume que "pretende ser uma alternativa inovadora para a gestão do concelho" revelando que "à imagem do que sucedeu em 2013 estamos a construir um projeto forte, credível, realista e passível de ser implementado, é uma candidatura plural, por Albufeira, pelas suas gentes, de todos e para todos".

Em relação ao mandato em curso, a candidata independente afirma que "com afinco e determinação conseguimos implementar muitos dos nossos desígnios, como por exemplo o orçamento participativo Albufeira, mas também foi possível desenvolver um trabalho sistemático, de proximidade com os serviços e com as pessoas, motivo pelo qual se alcançaram excelentes resultados, com verdadeiro sentido de partilha, na tomada de decisão, em áreas como o ambiente, as águas e saneamento, a proteção civil, a área social, a saúde, a segurança no trabalho."

"Foi efetivamente possível concretizar uma diminuição da carga fiscal para as famílias e empresas, e também do tarifário da água e resíduos” diz Ana Vidigal.

Esta é a terceira candidatura anunciada ao eleitorado, depois do atual presidente, Carlos Silva e Sousa (PSD) e Ricardo Clemente (PS) terem sido confirmados pelos órgãos nacionais dos respetivos partidos.

Continuam as incógnitas quanto ao BE, PCP/CDU e CDS-PP.