Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Mudar Albufeira

albufeiradiario, 20.11.18

Nas mãos dos munícipes

46488125_336052077173552_8857819239919124480_n.jpg

                                                                                                                                                                   d.r.

ZÉ D'ALBUFEIRA

Preocupam-me os buracos, é verdade. Também a (ausência de) limpeza. E o desleixo sufocante que impera sobre a generalidade dos problemas em que tropeçamos todos os dias na nossa cidade.

Mas mais do que tudo isso, para além disso, confrange-me a absoluta ausência de uma visão de futuro e a consequente inexistência de um plano estratégico a médio/longo prazo, devidamente fundamentado e sustentado em pressupostos claros e objetivos exequíveis.

Tornou-se angustiante o facto, inegável na atuação dos órgãos autárquicos, de os eleitos locais só saberem agir por reação. E, muitas das vezes, o que é grave, por reação a pressões de grupos minoritários e amigalhaços que deles procuram servir-se.

Isto para já não falar dos titulares de cargos na administração local que procuram cuidar dos seus próprios interesses e que utilizam, amiúde, as horas em que seria suposto estarem ao serviço da autarquia para tratarem de negócios particulares.

Albufeira, se os albufeirenses quiserem verdadeiramente que retome o caminho certo, terá de levar uma grande volta!

Grande volta a começar seguramente por uma nova postura dos munícipes perante novas eleições.

Deixando, desde logo, de ser sujeitos passivos, destituídos de vontade política própria, quais bem instalados na vida a recear qualquer mudança de paradigma. E pondo termo, finalmente, ao pensamento reinante de que 'estes já conheço...' 

Em seguida, assumindo uma atitude crítica permanente em relação aos actos públicos de que discordam, sem temer represálias e nunca pensando 'posso vir a precisar deles, não levanto ondas', como é comum entre nós.

Por último,  escolhendo os seus (futuros) representantes no poder local pelos méritos e competências reconhecidos aos candidatos, não pela cor partidária.