Quinta-feira, 5 de Abril de 2018
Poema de Ramiro Guedes de Campos

Vila branca em mar azul

vila.jpg

                                                                                                                                                     d.r.

ZÉ D'ALBUFEIRA

Foi a partir deste lindo poema, da autoria do saudoso poeta Engº. Ramiro Guedes de Campos, publicado em 1945, que as autoridades administrativas locais de então retiraram o slogan com que, durante décadas, a nossa vila (posteriormente cidade) foi promovida no país e no estrangeiro - e que tão belos frutos deu em termos de projecção internacional.

Na verdade, nestes seus versos admiráveis, o poeta, melhor que ninguém, sintetizou as caraterísticas mais intrínsecas da velha povoação de pescadores do sul de Portugal.

Vamos publicá-lo por especial deferência da Família, que amavelmente nos cedeu cópia do original

Fazêmo-lo não somente como memória de um facto literário que influenciou decisivamente o passado e o presente da nossa terra, mas também e sobretudo como preito de homenagem, singela mas sentida, ao autor que, durante muitos anos, teve casa de férias em Albufeira.

 

Poema sobre Albufeira que em representação desta praia ganhou o Concurso de Poesias sobre as Praias do Algarve em 1945

 

Da rocha a pique sobre o mar, a vila branca
Parece espiar ansiosamente o horizonte.
De olhar assim o mar nada e ninguém arranca,
Como se o mar a amedronte.
As casas pobres sobre a praia são fechadas
Como muralhas, com vigias por janelas.
Vivem de costas voltadas
Para as ondas e as estrelas.
Dir-se-á que ainda há nestas casas o horror
Das escaladas dos piratas levantinos
Que vinham de surpresa, espalhando o terror,
Entre gritos de dor rebatos de sinos.
E é no Horror secular destas noites mortais
Que, a intimidar de longe, agressivos e agrestes,
A vila aponta ao mar como punhais
Lá no alto, dois renques de ciprestes.
 
E, no entanto, mar e céu, com tintas de prodígio,
Tingem a praia, aberta em rocha ocre e vermelha,
Dum azul tão azul que nem tem o vestígio
Das coisas reais e a nada se assemelha.
E o azul é musical, sobem nas marés cheias,
Nos cambiantes da água intraduzíveis notas,
Acordes musicais de que as semicolcheias
São, nas ondas em pauta, as asas das gaivotas.
A luz transforma tudo em pintura extasiada,
As coisas sublimando a aparência e o volume.
Quando à praia os galeões vêm fazer a aguada
Já não são os barcos mas toninhas em cardume.
As lanchas de manhã, com as velas latinas
Como brancos triângulos suspensos
Parecem acenar da água de “água-marinas”
À senhora do mar a procissão dos lenços.
Mas, ao sol por, descida a verga e a âncora a pique,
De regresso do sul,
Os barcos dançam, tontos, em despique,
Gingões, aos bordos, bêbados de azul.
O azul tudo: gaivotas, nuvens, mastros,
Rochas de renda, ondas de vidro, areias de oiro,
Tudo se impregna deste azul sem rastros,
As falésias, a praia, o ancoradoiro.
Só a vila lá no alto, a vila branca,
Branca do sal do mar amargo,
Tem outra sede que não se estanca
Nem com o azul do céu nem com o azul do largo.
 
Ó vila branca a pique sobre o mar!
És uma onda que se levantou,
Em pedra se transformou,
E assim erguida ficou
Com a crista de espuma a cintilar!
 
Albufeira, 21 de Setembro de 1945
 
Ramiro Guedes de Campos



publicado por albufeiradiario às 22:17
link do post | comentar
partilhar

pesquisar
 
Maio 2018
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10

14
15
17
18
19

21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

Próximo sábado

Vinda do Espírito Santo

Bodo aos pombos

Futebol

Imagens que falam por si ...

Com pompa e circunstância

O caos no combate aos fog...

Por uma imprensa livre

A propósito do Orçamento'...

Mais um

arquivos

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

links
blogs SAPO
subscrever feeds