Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Albufeira Sempre

Diário sobre Albufeira.

Turismo rasca

albufeiradiario, 02.04.19

Pouca-vergonha

EM ATUALIZAÇÃO

55829081_2273545629631858_4008687805663281152_n.jp

                                                                                                                    d.r.

ZÉ D'ALBUFEIRA


Talvez exista na lei, ou nas próprias posturas municipais, alguma disposição que permita pôr cobro aos atropelos e escândalos que a imagem ilustra e se vivem diariamente, em particular em Albufeira, e lutar contra os interesses instituídos dos donos da noite.

E se não há... então, crie-se!

Para que servem os nossos deputados, legítimos titulares do poder legislativo? É só para limpar o pó às cadeiras do hemiciclo?

E para que gasta o governo rios de dinheiro com escritórios de advogados que redigem (outro escândalo!) propostas de lei e decretos-lei, a preço de ouro, substituindo-se aos ministros, secretários de Estado e assessores, estes nos gabinetes em quantidades pornográficas?

Matéria mais que suficiente para reflexão profunda e séria em ano de eleições.

 

P.S. - E depois... ainda há, desde os mais altos responsáveis do poder local, judicial e policial até ao mais pequeno pelintra, quem não goste que se diga que ALBUFEIRA É A CAPITAL DO TURISMO RASCA.

Convido as nossas autoridades a trazerem as suas famílias para estes lugares, adultos e crianças.

 

ATUALIZAÇÃO

Em reunião de Câmara realizada esta segunda-feira, a vice-presidente, Ana Pífaro, "sugeriu que se desenvolvessem meios adequados (regulamento ou normas) para que quem prevaricar nas esplanadas veja a licença de ocupação de via pública suspensa e o horário de funcionamento reduzido", segundo fonte oficial da autarquia.

Segundo a mesma fonte, a sugestão obteve a concordância de todos os vereadores "e agora serão tomadas as providências legais para que tal possa vir a ser aplicado".

É um começo, no sentido de tomar medidas eficazes contra estas situações gravosas para Albufeira e a economia e população locais.

O que se pede, agora, além da celeridade do processo, é, no mínimo, que a Câmara, usando os parcos meios de que dispõe, proceda a uma fiscalização vigilante e dissuasora.